Especial - Placas-mãe "diferentonas"
  • Leonardo Ritter

Especial - Placas-mãe "diferentonas"


Olá, leitor! Para comemorar 1 ano de Hardware Central, vamos variar o conteúdo e trazer um lista de placas de computador que eram um tanto quanto diferentes dos outros modelos, isto é, placas-mãe com algum armengue para fazer valer o termo “custo-benefício”.

Podemos dizer que, este texto é uma continuação do artigo “Hardware – Arquitetura de placas-mãe de Desktop e Notebook”, publicado em Outubro de 2017, aqui no HC. Para acessa-lo, é só CLICAR AQUI!

Com a chegada da arquitetura AMD64, integrando o controlador de memória RAM e Ponte Norte à CPU, a AMD implementou o HyperTransport em todos os processadores, e isso vingou até o socket AM3+. Isso possibilitou que algumas fabricantes "juntassem" PCI Express, vídeo on-board, barramento PCI, interface SATA e IDE, interface USB e vários outros circuitos em apenas um chip, a Ponte Sul. Mas também possibilitou que fabricantes de placas-mãe "reciclassem" chipset's para produzir placas de baixo custo, fazendo apenas adaptações de firmware para que trabalhassem de forma razoável com as gerações de CPU's que vinham surgindo. Selecionei dois casos de "reciclagem" de chipset para mostrar aqui!

nVidia MCP68

Vamos começar por um chipset que foi usado durante cerca de uma década na indústria de tecnologia, ele é o nVidia MCP68, composto por uma iGP GeForce 7025 ou 7050 (ambas trabalham à 425 Mhz) e uma Ponte Sul nForce 630a. Este chipset foi lançado em meados de 2006 / 2007, suportando processadores de socket AM2, memórias DDR2, HyperTransport 2.0, PCI Express Rev. 1.0, 12 portas USB 2.0, 4 portas SATA2 e litografia de 90 nm. O chip gráfico da série 7 possui apenas duas unidades Vertex Shader e duas unidades Pixel Shader.

Até aí tudo ok. O interessante é que ele começou a ser utilizado em várias placas a partir de meados de 2009, um pouco tarde, fazendo com que seu desempenho ficasse abaixo de várias placas da concorrência que utilizavam chipset's um pouco mais atuais. Mesmo assim, após o lançamento do socket AM2+, AM3 e AM3+, ele continuou sendo usado, principalmente pela fabricante de placas-mãe AsRock, que criou mais de uma dezena de modelos com este chipset.

A nVidia parou de projetar chipset's para placas-mãe em meados de 2010, mas como a produção dos chip's fica a cargo da TSMC, o MCP68 foi produzido por algum tempo após o encerramento das atividades da famosa fabricante de chips gráficos nesta área.

Uma das últimas placas-mãe com este chipset foi feita pela AsRock, a N68GS4-FX R2.0, que em pleno 2018 ainda é possível encontra-la nova no Mercado Livre (e com suporte ao Windows 10!).

Os processadores que são colocados no socket AM3 e AM3+ já possuem suporte à memória DDR3, HyperTransport 3.0 e não trabalham bem com o velho MCP68, que mesmo suportando estas CPU's, tem tecnologias que não desfrutam de todo o desempenho oferecido por componentes mais atuais. Além do mais, o circuito de alimentação para o processador é muito fraco pois, placas baseadas neste chipset sempre foram de linhas de baixo custo, ou seja, só servem para você dizer que tem um PC em casa. :V

Abaixo, a imagem de uma N68-VS3 FX:

Veja abaixo “algumas” placas-mãe da AsRock que utilizam este chipset:

1. N68-S; 2. N68-S3;

3. N68C-GS4 FX; 4. N68-VS3 FX;

5. N68C-S UCC; 6. N68-VGS3 FX;

7. N68-S UCC; 8. N68-GS4 FX;

9. N68-S3 FX; 10. N68-GS4 FX R2.0;

11. N68-GS3 FX; 12. N68-GS4/USB3 FX;

13. N68-VS3 UCC; 14. N68C-GS FX;

Outra peculiaridade sobre este chipset, é que a versão mais "completa" dele, o MCP68PV, com adaptador GeForce 7050 e interface DVI, foi utilizado em placas de socket 939 e até mesmo de socket 754, ou seja, as duas gerações anteriores aos processadores de socket AM2. Um exemplo de placa super antiga com esta variação do MCP68 é a AsRock 939N68PV-GLAN. Veja ela abaixo:

Outro exemplo de placa super antiga com o MCP68PV é a AsRock K8N68PV-GLAN, para socket 754. Veja a placa abaixo:

Uma curiosidade: se você pegar uma placa com este chipset e socket AM3+, instalar um processador da série FX e formatar com Windows XP, vai dar um bug no adaptador gráfico GeForce 7025. Segundo a AsRock, uma placa gráfica deve ser colocada no slot PCI Express para evitar estresse! :)

É extremamente difícil você ver as especificações completas de placas com este chipset MCP68. Eles não informam se o PCI Express x16 é da revisão 2.0 (a versão mais utilizada), com taxa de transferência teórica de 8.000 MB/s. Tive que mandar um e-mail para o Fale Conosco da AsRock e a resposta foi que a revisão utilizada é a 1.0, com taxa de transferência de 4.000 MB/s, ou seja, não faz sentido gastar um monte de moedinhas com uma N68-GS4 FX R2.0 nova e uma placa de vídeo robusta para trabalhar com um MCP68, pois até nisso ele é limitado.

Abaixo, você vê um catálogo da nVidia publicado lá em meados de 2005, mostrando a série de chipset's para socket's 754, 939 e AM2 e as tecnologias presente neles. Perceba que o MCP68 e o MCP68PV, destacados em vermelho, só são compatíveis com a plataforma AM2, e como mostramos nas explicações até aqui, eles foram usados com praticamente todos os socket's pré e pós AM2.

AMD 760G

Vamos continuar com os chipset's, mas agora temos o velho AMD 760G. Este chipset já foi projetado com suporte a HyperTransport 3.0, PCI Express Rev. 2.0, A-link Express 2.0, um controlador de vídeo ATI HD3000 (que trabalha à 350 Mhz) e litografia de 55 nm. Este chip não vinha com Ponte Sul integrada e, normalmente se utilizava o South Bridge AMD SB700 ou SB710 em conjunto com o 760G.

Seu codinome, RS780L, já foi visto em especificações de placas com socket 754, anterior ao socket's AM2 e AM3, mas apesar disso, placas-mãe como a ASUS M5A78L-M USB/3 utilizam este chipset e suportam processadores da série FX, HyperTransport 3.0 e suporte a memórias DDR3 1866 Mhz.

Como exemplo de placa antiga que utiliza este chipset, podemos citar a AsRock K8A780LM. Veja esta placa na imagem abaixo:

Pra quem não sabe, o socket 754 foi feito para a primeira geração de processadores coma arquitetura AMD64. Vinham com um controlador de memória DDR1 400, HyperTransport 1.0 e, poucas delas já vinham com interface PCI Express no chipset, que estava, na época, sendo disponibilizado em revisão 1.0.

Na sequência veio o socket 939, um pouco antes do AM2. Placas para socket 939 vinham com variações melhoradas do 760G. O socket 939 já tem Dual Channel DDR1 400 e mantém o HTLink 1.0. Podemos citar a placa AsRock 939A785GMH/128M e suas variações. Veja abaixo uma 939a785GMH:

Outro modelo com este chipset é a AsRock A780LM-S, mas que já suporta processadores de Socket AM2 / AM2+ / AM3, com dual channel de memória DDR2 1066 Mhz.

Como havia dito, variações melhoradas deste chipset surgiram. Podemos citar o 780G, que vinha com uma ATI HD3200, e o 785G, com a ATI HD4200. Veja abaixo uma tabela com algumas especificações de série de chipset's AMD 7xx:

Tirando o 780V, os demais suportam o "Hybrid CrossFireX", uma tecnologia lançada lá em meados de 2008 e que é algo bem raro no mercado.

Fabricantes como por exemplo a Gigabyte e a ASUS utilizaram estes chipset's em placas de baixo custo para processadores FX até meados de 2014 / 2015, e como você já deve imaginar, a limitação de desempenho é visível nestas placas.

Após a criação da arquitetura AMD64, a fabricante AMD resolveu lançar várias plataformas, uma após a outra, fazendo com que componentes ficassem obsoletos mais rapidamente e fazendo com que as pessoas tivessem que comprar computadores novos para ficarem com o Hardware sempre atualizado. Isto provavelmente estimulou a criatividade dos engenheiros da AsRock, que projetaram "armengues" para manter a retrocompatibilidade entre plataformas, mantendo sempre o custo benefício, isto é, utilizando, em muitos casos, chipset's retrógrados e implementando soluções estranhas pra deixar tudo mais barato!

AMD 462 / AMD 754

Vamos começar mostrando a retrocompatibilidade entre placas-mãe de socket 462 (com suporte à processadores anteriores à arquitetura AMD64) e o mais novo (na época) socket 754, com suporte ao AMD64.

Estas placas utilizavam um slot extra idêntico ao AGP, mas que era posicionado de forma diferente na placa, para que não pudesse ser encaixado outro circuito a não ser o Bridge 754. Veja abaixo a imagem das duas placas-mãe com suporte à esta adaptação:

O modelo de cima é uma AsRock K7Upgrade-600, e o modelo abaixo é uma AsRock K7Upgrade-880.

Veja agora, o Bridge 754 utilizado para tornar a placa antiga compatível com a nova plataforma:

Para você entender melhor, vamos explicar este "armengue" em detalhes:

A K7Upgrade-600 possui um conjunto de chipset's VIA KT600 (Ponte Norte) e um VIA 8237 (Ponte Sul).

A K7Upgrade-880 possui um conjunto de chipset's VIA KT880 (Ponte Norte) e um VIA 8237 (Ponte Sul).

O chipset Ponte Sul 8237 é compatível também com a Ponte Norte VIA K8T800, feita especialmente para o socket 754, portanto o Bridge 754 utiliza este chip ponte debaixo do dissipador dourado escrito "AsRock". Veja os slot's abaixo:

O slot circulado em amarelo e marcado com o número 1 é o AGP que está ligado diretamente à Ponte Norte KT600 (no caso da K7Upgrade-600) ou no chip Ponte KT880 (no caso da K7Upgrade-880).

O slot de cor laranja é idêntico ao AGP, mas está posicionado um pouco mais a frente do que o normal. Este slot laranja está ligado ao slot AGP marcado com o número 2.

Logo atrás do slot laranja há um pequeno slot marrom, marcado com o número 3. Perceba que ao redor deste slot há vários jumpers que devem ser reposicionados quando o Bridge 754 foi utilizado. Neste local deve ser definido se a comunicação do VIA 8237 será feita com a Ponte Norte KT600 / KT880 ou com o K8T800 presente no Bridge 754.

A alimentação elétrica do Bridge 754 é feita pelo conector EPS12V. O cabo EPS12V deve ser desconectado da placa-mãe, deixando o socket 462, o VIA KT600 / KT880 e os slot's de memória RAM desativados durante o uso do Bridge 754.

AMD 754 / AMD 939

Logo após a chegada do socket 754, uma nova plataforma foi lançada: o socket 939. Os processadores de socket 939 possuem como diferencial um circuito de alimentação mais robusto, dois controladores de memória DDR1 400, mas utilizam a mesma interface HyperTransport (só que em revisão 2.0) para se comunicar com o chipset, ou seja, os chipset's feitos para socket 754 puderam ser utilizados no 939 também.

A AsRock não perdeu tempo e já projetou uma placa com dois socket's! É a K8Combo-Z, mostrada na imagem abaixo:

Esta placa utiliza um chipset Ponte Sul ULi(ALi) M1689 sem vídeo integrado. Para o socket 754 há 2 slot's de memória RAM DDR 400 dispostos no único canal suportado pela CPU. Para o socket 939 há 3 slot's de memória RAM DDR 400 dispostos nos dois canais presentes na CPU, sendo que os dois slot's azuis estão dispostos em um canal e o slot preto está disposto no outro canal.

Você não pode colocar dois processadores simultaneamente nesta placa, pois há apenas 1 link HyperTransport que deve ser direcionado à um dos dois socket's. Para fazer esta seleção há um conjunto de jumpers.

Veja estes jumpers na imagem ao lado:

O circuito de alimentação do processador e dos módulos de memória RAM é o mesmo para os dois socket's, outro motivo pelo qual apenas um deles deve estar em funcionamento.

Não só a AsRock fez uma placa com dois socket's, mas também a fabricante Jetway, que na Computex 2005 anunciou uma placa de baixo custo muito parecida com este modelo da AsRock. Na imagem abaixo, é possível ver o modelo, uma 939GT-Dual-P:

Esta placa incorporava um chipset nVidia nForce4, Veja mais detalhes sobre a série nForce4 no catálogo da nVidia publicado lá no início do texto. Este modelo já suportava o Dual Channel do 939 (veja os slot's de memória RAM azul e amarelos na parte de cima da placa-mãe). Observe os conjuntos de jumpers para fechar a comunicação entre o chipset nVidia e um dos socket's, eles estão logo abaixo do socket 939.

Outra placa muito parecida com a K8Combo-Z é a AsRock K8Combo, que utiliza um conjunto de chipset's SiS (Norte 755FX e Sul 965) e já suporta PCI Express x1 em revisão 1.0a. A placa também aproveita o dual channel do socket 939 e há um conjunto de jumpers para ativar o socket a ser utilizado. Veja a imagem abaixo:

Observe os conjuntos de jumpers logo acima do SiS 755FX que teve seu dissipador de calor retirado (não sabemos o porque, nem achamos esta placa no site oficial da AsRock!). Veja uma imagem dos socket's e jumpers desta placa abaixo:

A placa possui um slot AGP x8 e também duas portas SATA 1 de 150 MB/s.

Perceba que apenas o socket 939 possui Módulo de Retenção do Cooler. Caso o outro socket seja utilizado, o usuário deve desmontar o módulo e encaixa-lo nos 4 furos presentes ao redor do socket 754 (os módulos de retenção de cooler são iguais para as duas plataformas, assim a AsRock reduziria custos vendendo a placa com apenas um módulo).

Na época do em que a AMD estava se desenvolvendo com os socket's 754 e 939, a sua concorrente, a Intel, tinha recém começado com o seu novo socket, o LGA775, substituto do mPGA478. Os dois utilizavam o FSB (Front Side Bus - Barramento Frontal) como meio de comunicação entre Ponte Norte e CPU. Este período em que os dois socket's da Intel estiveram no mercado, fez com que a AsRock criasse a placa-mãe P4 Combo, pensando no custo benefício, novamente. Veja a imagem desta placa abaixo:

Observe a enorme quantidade de jumpers que é necessário trocar de lugar para fechar a comunicação entre a Ponte Norte e um dos sockets! Isso se deve ao Barramento Frontal da Intel, que tinha 64 trilhas para transferências de dados, 32 para transferências de endereços e mais algumas trilhas para transmissão de controles.

Outra peculiaridade desta placa é os únicos dois slot's de RAM ligados ao único canal de memória presente no chipset. Ao contrário dos processadores AMD, os Intel não tinham Ponte Norte e controlador de RAM integrados na CPU, portanto a memória RAM ficava à cargo do chipset Ponte Norte presente na placa-mãe, que no caso desta placa é o Intel 848P, que nem vídeo onboard tem. A Ponte Sul desta placa é um Intel ICH5.

Outra solução da AsRock para o consumidor fazer um Upgrade no PC sem precisar comprar uma placa-mãe nova foram as placas-mãe K8Upgrade-NF3, K8Upgrade-760GX, K8Upgrade-VM800 e K8Upgrade-PCIe, que se baseavam na mesma ideia da série K7Upgrade: um slot de expansão exclusivo para um Bridge, só que desta vez com o socket 939.

A foto abaixo é da AsRock K8Upgrade-NF3.

> Socket 754 (suporta um Bridge 939);

> Dois slots de memória RAM DDR 400;

> Interface HyperTransport 1.0;

> Ponte Sul nVidia nForce3 250 sem vídeo integrado.

Abaixo, a imagem da AsRock K8Upgrade-760GX:

> Socket 754 (suporta um Bridge 939);

> Dois slots de memória RAM DDR 400;

> Interface HyperTransport 1.0;

> Ponte intermediária SiS 760GX (com o controlador de vídeo Mirage2 Graphics);

> Ponte Sul SiS 964.

Abaixo, veja a AsRock K8Upgrade-VM800.

> Socket 754 (suporta um Bridge 939);

> Dois slots de memória RAM DDR 400;

> Interface HyperTransport 1.0;

> Ponte intermediária VIA K8M800 (com o UniChrome Pro 3D Graphics);

> Ponte Sul VIA 8237R.

Abaixo, veja a AsRock K8Upgrade-PCIe:

> Socket 754 (suporta um Bridge 939);

> Dois slots de memória RAM DDR 400;

> Interface HyperTransport 1.0;

> Ponte intermediária SiS 756 (sem vídeo On-Board mas com suporte ao PCI Express Rev. 1.0a);

> Ponte Sul SiS 956L.

O diferencial desta placa é que ela já vinha com um slot PCIe x16 e dois slot's PCIe x1.

Abaixo, veja o Bridge 939 compatível com todas as placas da série K8Upgrade:

Para faze-lo funcionar nas K8Upgrade, você deve mudar a posição dos jumpers que ficam acima do slot amarelo, chamado pela AsRock de "Future CPU Port".

Como você pode ver no Bridge 939, há um circuito de alimentação com conector P4 e 4 slot's de memória DDR1 400 distribuídos nos dois canais suportados pelo processador.

AMD 939 / AMD AM2

Após o socket 939 veio o AM2, que na verdade é um 939 com alguns furos reposicionados para que não haja retrocompatibilidade.

Os processadores compatíveis com AM2 tem um circuito de alimentação ainda mais refinado, suporte ao HyperTransport 2.0, suporte à memórias RAM DDR2 800 e uma arquitetura mais robusta, se comparado com a geração anterior.

A AsRock (novamente AsRock!) criou uma série de placas se baseando na mesma ideia da linha K7Upgrade e K8Upgrade: um slot de expansão para conectar um Bridge AM2.

O HyperTransport é o mesmo para os soquetes 754, 939, AM2, AM2+, AM3 e AM3+, muda apenas a taxa de transferência de cada revisão (1.0, 2.0 e 3.0). Para saber mais sobre o HyperTransport, CLIQUE AQUI!

Sendo a interface entre o chipset e a CPU a mesma, a AsRock decidiu implementar chipset's obsoletos nesta série de placas. Foi utilizado como Ponte Sul o M1567 e uma outra Ponte "Intermediária" M1695, os dois feitos pela extinta Acer Laboratories incorporated (ULi / ALi).

O M1567 é um descendente do M1689, que era utilizado em placas com socket 754. Na AsRock 939Dual-VSTA e 939Dual-SATA2, o M1567 perdeu seu posto de chipset principal e foi colocado como Ponte Sul. Como Ponte Intermediária (entre a CPU e o South Bridge) foi colocado o ULi / ALi M1695, que já vinha com interface PCI Express Rev. 1.0.

Veja o diagrama de blocos deste sistema aqui ao lado.

Devido ao M1657 ter Interface PCI, interface AGP e o M1695 ter interface PCIe, a placa virou uma solução hibrida que poderia funcionar com várias placas de vídeo ocupando as três interfaces de forma simultânea.

Veja abaixo, a imagem da 939Dual-SATA2:

Repare no slot amarelo desta placa acima. É neste slot que vai conectado o Bridge AM2. Para desabilitar o socket 939 e utilizar a plataforma nova (naquela época), era necessário mudar a posição do conjunto de jumpers para que a interface HyperTransport do chipset M1695 se comunicasse com o processador de socket AM2 do Bridge. Além do mais, uma atualização de BIOS era necessária para o sistema reconhecer a nova safra de processadores suportada pelo Bridge.

Apesar de ser uma solução boa para reduzir custos ao fazer um upgrade no PC, o conjunto de chipset's utilizados era de baixo desempenho, com poucos recursos, feito para gerações anteriores de processadores, trazendo assim uma perda significativa de desempenho ao colocar uma CPU nova.

Além destas duas placas, a AsRock lançou o modelo 939SLI eSATA2, utilizando um chipset ULi M1697 com suporte à nVidia SLI / AMD CrossFire. Esta placa também tem um slot Future CPU Port (slot amarelo) para adicionar o Bridge com socket AM2. Veja a imagem abaixo:

Veja o conjunto de jumpers entre o slot amarelo e o socket 939. Encostado abaixo do slot amarelo, um conector Molex para suprir a demanda de energia dos slot's PCIe.

Outra peculiaridade desta placa é o suporte à SLI, uma tecnologia exclusiva de chipset's nVidia naquela época e que até hoje é incorporado em placas de alto desempenho, coisa que a 939SLI eSATA2 não tem.

Veja abaixo o Bridge AM2 com 4 slot's de memória DDR2 e circuito de alimentação próprio com conector P4.

Agora, vamos mostrar os "armengues" de hardware e firmware mistos, presentes principalmente em placas da AsRock (novamente, Asrock!).

Quando a AMD lançou no mercado o socket AM3, os processadores eram retro-compatíveis com o socket AM2 / AM2+, isto por que, apesar deles suportarem o mais novo padrão de memória RAM DDR3, os controladores de memória mantinham o suporte às frequências e latências do padrão DDR2. O funcionamento dos processadores de socket AM3 eram um pouco limitados com os circuitos de alimentação para o socket AM2. Várias placas de socket AM2 / AM2+ necessitavam de atualização de BIOS para reconhecer a nova safra de CPU's.

A AsRock não perdeu tempo e lançou placas com slot's de memória RAM DDR2 e DDR3, assim o usuário poderia colocar um processador da geração antiga ou nova e, no caso da nova geração, poderia escolher entre utilizar às memórias com o velho padrão DDR2 (que já eram mais baratas) ou o novo padrão DDR3 (que recém tinha sido lançado e era mais caro). Isso proporcionou uma versatilidade enorme, e de cara parecia uma jogada ótima para melhorar o custo benefício. Mas, você verá no próximo parágrafo que não foi tão perfeito assim!

Lembra do velho chipset MCP68, mostrado lá no início do texto? Então, a AsRock implementou este chipset nas placas com suporte à DDR2 e DDR3! Os processadores AM2+ mais robustos já tinham suas limitações de desempenho com este chipset, e os do novo socket AM3 tinham ainda mais. Abaixo, você vê a AsRock N68C-S.

O funcionamento deste sistema é simples: são dois canais de memória, sendo que em cada um deles é colocado um slot DDR2 e um DDR3. Não é possível utilizar módulos DDR2 e DDR3 simultaneamente, até porque eles trabalham com latências diferentes, frequências diferentes e compartilham os mesmos canais. E outra: ao colocar um processador compatível apenas com socket AM2 / AM2+, você deverá utilizar memória do padrão DDR2, pois como foi dito, eles só suportam este padrão.

Após o AM3, veio o socket AM3+. Os processadores de socket AM3+ suportavam apenas às memórias do padrão DDR3, sem retrocompatibilidade com DDR2. Além do mais, a furação do socket AM3+ suportava pinos mais largos, para uma alimentação elétrica mais robusta, portanto, não dava pra colocar um processador feito para socket AM3+ em uma placa com socket AM3, mas colocar um processador de socket AM3 numa placa de socket AM3+ funcionava!

Mesmo o socket AM3+ tendo especificações exclusivas para os processadores feitos para ele e tendo apenas retrocompatibilidade com os processadores de socket AM3, a AsRock lançou uma placa hibrida, com suporte as últimas quatro gerações, isto é, a AM2, AM2+, AM3 e AM3+, com slot's de memória RAM DDR2 e DDR3 e, claro, o velho MCP68, deixando tudo mais barato (em mais lento!).

Abaixo, você vê a placa-mãe N68C-GS4 FX:

Anterior à esta AsRock, havia um modelo parecido, a N68C-GS FX, idêntica, salvo a cor azul da PCB e o Módulo de Retenção do Cooler, que eram diferentes. Perceba que, tirando a cor da PCB e o Módulo de Retenção do Cooler, a N68C-GS4 FX também é idêntica à série N68C-S que foi mostrada mais acima. Com isso podemos comprovar que, a AsRock também reciclou muitos projetos com este chipset e com esta série de socket's.

Isto não aconteceu apenas com a AsRock. No início dos anos 2000, com a chegada da plataforma 462 (socket A) da AMD, a Asus foi uma das fabricantes que desenvolveu algumas placas com chipset's da marca SiS (os mais baratos e mais simples da época), e uma delas, a Asus A7S266 VM/U2, suportava módulos de memória RAM de padrão SDR (o mais antigo) e DDR1 (o mais atual - naquela época), sendo que não dava pra usar os dois padrões simultaneamente, devido aos mesmas limitações: frequências e latências diferentes e o compartilhamento de canal. Isso só servia pra poupar dinheiro e reaproveitar os antigos módulos SDR tirados do seu PC velho pra por na placa-mãe nova!

Como você pode ver na imagem abaixo, nem slot AGP, que já era comum na época, era suportado pelo chipset SiS incorporado à placa:

E estes são os principais "armengues" feitos pra priorizar o custo benefício das placas. São tantas coisas fora do comum que decidi fazer três artigos sobre o assunto, para que não fique extremamente extenso este texto. No próximo, continuaremos a mostrar bizarrices mas, traremos placas-mãe com tecnologias peculiares!

Só quero deixar claro que, o meu intuito é mostrar placas-mãe diferentes do que estamos acostumas a ver, e não menosprezar a marca AsRock. No próximo artigo sobre placas-mãe, mostrarei outros modelos de outras marcas.

Gostou do artigo? Conhece mais alguma bizarrice no mundo da tecnologia? Não precisa ser apenas com placas-mãe, se tu conhecer algo fora do comum em um aparelho eletrônico, mande para nós! Podemos transformar em um artigo!

Para se comunicar conosco, mande uma mensagem via Facebook ou pelo e-mail hardwarecentrallr@gmail.com

Não se esqueça de compartilhar nas redes sociais!

FONTES e CRÉDITOS:

Texto: Leonardo Ritter.

Imagens: AsRock Inc: Hardware.com.

Fontes: Hardware.com; AsRock Inc.

Última atualização: 30 de Outubro de 2018.


0 visualização

© 2019 Hardware Central Tecnologia Entretenimento e Comunicação do Brasil Ltda. Todos os direitos reservados.

Wix Editor / Revisão da web page: 3.0/2019 (07/10/19)